EUA pedem que AIEA negue ajuda para reator iraniano

Os Estados Unidos disseram, nesta segunda-feira, que aceitariam pedidos de auxílio da ONU feitos por Teerã em sete projetos nucleares, mas alertaram a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) a negar assistência para a construção de um reator produtor de plutônio que pode ser usado para a construção de bombas nucleares. A decisão refletiu uma noção recém-incorporada aos EUA de que é inútil tentar bloquear a ajuda da AIEA ao Irã em todos os oito projetos por causa da oposição da maioria dos 35 países-membros do órgão. O anúncio também pareceu incentivado por um julgamento da AIEA de que nem o reator nem os outros projetos se impõe como uma ameaça de proliferação nuclear. Segundo o chefe da delegação americana na agência, Gregory L. Schulte, os EUA estão preparados para um "consentimento conjunto" dos sete outros pedidos do Irã se os membros da agência negarem auxílio ao país para a construção do reator de pesquisa Arak. O Arak foi descrito por Schulte como "capaz de produzir plutônio para uma ou mais armas nucleares a cada ano." Uma resolução do Conselho de Segurança (CS) da ONU, em julho, exigia que o Irã parasse todas as atividades relacionadas ao enriquecimento de urânio. Mas não citava especificamente Arak, um centro produtor da chamada ´água pesada´, dizendo somente que Teerã tinha que parar todas as "atividades de reprocessamento". A União Européia, o Canadá e a Austrália também pediram à AIEA que se recuse a aprovar auxilio para o projeto de Arak, sob os mesmo pretextos dados pelos EUA sobre a produção de plutônio para fins bélicos. Na contramão, a Rússia e a China - principais adversário de duras sanções do CS contra o Irã, patrocinadas pelos EUA - sugeriram não ter nenhuma objeção a qualquer ajuda da agência da ONU em Arak. Fora o projeto da usina de Arak, que provavelmente pode ter ajuda negada até mesmo por aliados do Irã, os outros sete são menos controversos. Um pede ajuda para o desenvolvimento de capacidades nucleares para uso médico. Outro busca auxilio legal para a construção do reator Bushehr construído por russos, o qual até mesmo os americanos aceitaram como não ameaçador de proliferação nuclear. Os cinco outros pedem por auxílio de aspectos administrativos ou de segurança sobre poder nuclear, segundo uma lista apurada pela AP.

Agencia Estado,

20 Novembro 2006 | 19h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.