EUA pedem que Brasil pressione Coreia do Norte

O governo norte-americano pediu que o Brasil use sua embaixada na Coreia do Norte para pressionar Pyongyang na questão dos direitos humanos e no tema nuclear. O apelo é do enviado especial dos Estados Unidos para direitos humanos na Coreia do Norte, Robert King, para quem a missão não deveria ser usada apenas para promover o comércio bilateral. O Brasil é um dos poucos países democráticos a ter uma embaixada na Coreia do Norte, aberta menos de um ano atrás.

AE, Agencia Estado

10 Dezembro 2009 | 10h17

Os EUA não têm relações diplomáticas com a Coreia do Norte. Mas King não esconde que vem mantendo conversas com a diplomacia brasileira a respeito da situação. Ele não deixa de admitir surpresa em relação à decisão do Brasil de abrir uma embaixada na Coreia do Norte e quanto ao relacionamento do País com governos como o do Irã. King indica que esse canal deve ser usado não apenas para questões comerciais, mas também para pressionar por melhorias nas condições políticas de um dos países mais isolados do mundo.

Segundo ele, a condição dos EUA para ter relações diplomáticas é que haja "um real compromisso por fazer avançar os direitos humanos" na Coreia do Norte. Nesta semana, Pyongyang passou por sua primeira sabatina na ONU sobre a situação dos direitos humanos no país. Apesar de ter sido duramente criticado, vários governos elogiaram a decisão norte-coreana de participar do exercício. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
EUA Brasil Coreia do Norte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.