EUA perderam um sexto da polícia iraquiana treinada

Perdas de combate incluem mortos, feridos, desertados e desaparecidos

Agencia Estado

18 Junho 2007 | 11h59

Cerca de um a cada seis policiais iraquianos treinados pelas forças dos EUA foram perdidos em combate no último ano - mortos, feridos, desertados ou simplesmente desapareceram, afirmou um importante comandante militar americano nesta quarta-feira, 13. E a violência contínua incentiva autoridades a aumentar novamente o exército iraquiano, segundo o general Martin Dempsey, que recentemente encabeçou o treinamento. Isso significa que 20 mil novos soldados serão treinados este ano e outra leva chegará em 2008, disse Dempsey em uma coletiva de imprensa nesta quarta-feira. Ele não mencionou quantos soldados devem incluir as forças no ano que vem. Dempsey afirmou em Capitol Hill na terça-feira que 32 mil policiais foram perdidos da nova força de 188 mil nos 18 meses que precederam janeiro. Cerca de 8 a 10 mil provavelmente morreram em combate, enquanto entre 6 e 8 mil estão severamente feridos e não podem servir. Outro cinco mil "provavelmente (...) foram desertados". Os outros 7 ou 8 mil não tem paradeiro definido. O legislador democrata, o deputado Robert E. Andrews, questionou se esses desaparecidos podem estar entre os militantes. "Há alguma chance dessa porção (...) estar combatendo nossas tropas?". Dempsey disse que não sabia. Até o final do ano, autoridades dos EUA querem possuir 390 mil soldados no Iraque. Isso inclui 170 mil no exército, enquanto os outros ficariam espalhados entre forças policiais, fiscais de fronteira e outros serviços de segurança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.