EUA podem congelar contas de quem não colaborar

O presidente George W. Bush anunciou nesta segunda-feira uma ordem executiva que congela ativos financeiros de 27 pessoas e entidades suspeitas de ter vínculos diretos ou indiretos com Osama Bin Laden e a rede terrorista Al-Qaeda, considerados por Washington como os responsáveis pelos ataques contra o World Trade Center e o Pentágono, no último dia 11.Bush deixou claro, no entanto, que o objetivo maior da medida é pressionar governos e bancos ao redor do mundo a entrar ativamente na guerra contra o terrorismo e cortar as fontes de financiamento a pessoas e entidades que Washington identifique como suspeitos ou ter seus próprios ativos congelados nos Estados Unidos.Nesse sentido, a decisão foi a primeira demonstração concreta da disposição do governo americano de pôr em prática a advertência que Bush fez ao mundo, em seu discurso ao Congresso, na noite de quinta-feira passada, quando disse que os países seriam chamados a escolher entre os EUA e os terroristas.Tecnicamente, a decisão, que foi firmada pelo presidente americano na noite de domingo, obriga os bancos americanos a congelar contas e cessar qualquer transação com as pessoas, empresas e organizações não-governamentais que tenham vínculos diretos ou indiretos com Bin Laden e Al-Qaeda.Mas o próprio Bush encarregeou-se de explicitar o significado maior da medida. "Nós sabemos que muitos desses indivíduos e grupos (citados na lista) operam principalmente no exterior e não têm muito dinheiro nos EUA", disse ele, durante uma breve aparição no Jardim das Rosas da Casa Branca, acompanhado pelos secretários de Estado, Colin Powell, e do Tesouro, Paul O´Neill."Assim, nós desenvolvemos uma estratégia para lidar com isso: estamos notificando os bancos e as instituições financeiras ao redor do mundo e vamos trabalhar com seus governos e pedir-lhes que congelem e bloqueiem o acessos do terroristas a contas no exterior", afirmou Bush ."Se eles deixarem de nos ajudar, compartilhando informação ou congelando as contas, o Departamento do Tesouro tem agora a autoridade de congelar seus ativos bancários e transações (financeiras) nos Estados Unidos".A ordem executiva criou um novo Centro de Monitoramento dos Ativos de Terroristas no Exterior para levar adiante a nova política.Um fato adicional demonstra que o alvo de Washington é obter a cooperação de governos e bancos estrangeiros. Quaisquer bens que Osama Bin Laden e Al-Qaeda tinham nos EUA estão congelados desde 1998, quando o milionário saudita foi indiciado pela Justiça federal americana como autor intelectual dos ataques a carro-bomba contras as embaixadas dos EUA no Quênia e na Tanzânia.Um funcionário do Tesouro reconheceu nesta segunda-feira que os nomes divulgados representam uma "ampliação" de uma lista anterior.Bush destacou a presença na lista de três organizações não-governamentais "de nomes que soam bem", mas não passam de "fachadas caridosas" e fazem parte da rede de apoio aos terroristas: Makhtab Al-Khidamat ou Al Kifah, que opera junto à comunidade islâmica no Brooklyn, em Nova York, ou Al Rashid Trust, uma organização paquistanesa que apóia o Taleban no Afeganistão, e a organização Humanitária Wafa, de origem palestina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.