EUA podem levar questão norte-coreana ao Conselho de Segurança

O enviado americano à Coréia do Sul, John Bolton, reforçou hoje em Seul a intenção dos EUA de levar a questão sobre o polêmico programa nuclear norte-coreano ao Conselho de Segurança da ONU. A Coréia do Norte, que no mês passado decidiu reativar seu reator nuclear de Yongbyon, advertiu recentemente que a imposição de sanções pela ONU significariam uma declaração de guerra.Bolton disse, no entanto, que os EUA buscam primeiro tentar resolver a crise pela via diplomática e acrescentou que Washington poderia dar a Pyongyang uma espécie de garantia deque não atacará o país comunista.A visita de três dias do subsecretário americano de Estadopara Controles de Armas e Segurança Internacional coincide com o início de conversações de alto nível entre representantes dasduas Coréias em Seul.Em um aparente golpe para os EUA, a delegação norte-coreana disse que as duas Coréias devem resistir à "pressão externa" em meio às preocupações sobre o suposto programa de armas nucleares da Coréia do Norte.Os quatro dias de reuniões têm como objetivo promover projetos para os dois países, como a ligação das ferrovias, mas o governo sul-coreano pretende usá-los para pedir ao vizinho que abandone seu programa nuclear.A Coréia do Norte argumenta que a disputa é com Washington e não envolve o Sul. Mas em um comunicado, o chefe da delegaçãonorte-coreana, Kim Ryong-song, disse que os lados deveriam unir forças, com um fervoroso senso de respeito nacional, e enfrentar as dificuldades. A agência de notícias norte-coreana KCNA exortou hoje os sul-coreanos a pressionar pela reunificação nadividida Península Coreana e resistir aos "imperialistas dos EUA". Segundo a agência, a independência nacional de todo opovo coreano era o melhor meio para defender "a paz e asegurança do país".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.