EUA podem retirar mediação no Oriente Médio

Os persistentes choques entre israelenses e palestinos podem levar os Estados Unidos a arquivar sua fórmula para tentar restabelecer a paz entre as duas partes, disse nesta sexta-feira o porta-voz do Departamento de Estado, Richard Boucher.Referindo-se às recomendações de uma comissão investigadora enviada pelos EUA à região, o porta-voz disse que "chegamos a um ponto no qual o relatório Mitchell, em vez de ser uma ponte entre a violência e as conversações de paz, como deveria ser, acaba sendo outra folha de papel no arquivo, se as duas partes não levarem o processo adiante"."Não há uma agenda para sustentar as negociações, mas eu acho que, seja qual for o status do relatório Mitchell, os Estados Unidos têm um forte interesse na paz. Temos um grande interesse em acabar com a violência", disse Boucher.O porta-voz afirmou que os EUA continuarão a trabalhar por esses objetivos sob qualquer circunstância.A comissão que preparou o relatório norte-americano é liderada pelo ex-senador George Mitchell. Com algumas reservas, suas sugestões foram aprovadas por Israel e pela Autoridade Palestina. Entre as recomendações, está a de uma trégua de seis semanas, que deveria ser acompanhada de medidas construtivas, como a suspensão tanto da construção de assentamentos judaicos, como da fabricação de armamentos em áreas sob controle palestino.O secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, já disse que não tem um "plano B" para substituir as recomendações da comissão, se estas não forem implementadas.Ao mesmo tempo, o subsecretário de Estado Richard Armitage disse que a administração Bush não está a par de nenhum plano israelense para lançar uma ofensiva contra Yasser Arafat e a Autoridade Palestina.Tais informações foram divulgadas nesta quinta-feira por uma rede de notícias, mas Armitage disse: "Não sabemos de nada" e "isto não nos preocupa seriamente".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.