EUA podem rever sanções, diz ministro palestino

O ministro palestino das Finanças, Salam Fayyad, disse em entrevista publicada nesta quarta-feira, 18, que está esperançoso de que os Estados Unidos revejam as sanções bancárias que há mais de um ano paralisam o governo palestino. Fayyad falou ao jornal palestino Al Ayyam depois de reuniões em Washington com a secretária de Estado Condoleezza Rice e com outras autoridades de primeiro escalão do governo norte-americano. "A secretária expressou compreensão em vincular nossa capacidade de melhorar o desempenho financeiro e a necessidade de operar livremente com os bancos", disse Fayyad ao jornal. As sanções bancárias vigoram desde que o Hamas assumiu o governo palestino, em março de 2006, o que obrigou a maioria dos doadores internacionais a redirecionarem suas verbas para o gabinete do presidente Mahmoud Abbas, da facção rival Fatah. A União Européia criou um mecanismo provisório de ajuda. O Hamas passou então a levar dinheiro em malas para driblar as sanções, que impedem a Autoridade Palestina de pagar corretamente os salários de seus funcionários públicos. Em março, o Hamas e a Fatah formaram um governo de união nacional, na esperança de aliviar as sanções e de conter as disputas internas. Autoridades palestinas e ocidentais disseram que Washington dificilmente irá suspender em breve as restrições que impedem bancos locais, regionais e internacionais de transferirem fundos diretamente para contas dentro do governo palestino. Mas eles disseram que Washington considera outras opções propostas por Fayyad, como a autorização de transferências para contas que ele controla no âmbito da Organização para a Libertação da Palestina, à qual a Fatah é ligada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.