REUTERS/Raheb Homavandi
REUTERS/Raheb Homavandi

EUA põem fim a isenções que permitiam a 8 países comprar petróleo iraniano

Casa Branca informou que não renovará, depois de maio, a medida que permite a oito países a negociação da commodity produzida pela República Islâmica; medida visa pressionar Teerã ao bloquear sua principal fonte de dólares

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2019 | 10h11
Atualizado 23 de abril de 2019 | 10h42

WASHINGTON - Os Estados Unidos anunciaram nesta segunda-feira, 22, que não renovarão as isenções para a compra de petróleo do Irã, em uma tentativa de pressionar a República Islâmica ao bloquear parcialmente o comércio de seu principal produto de exportação.

"O presidente Donald Trump decidiu não renovar as Isenções Significativas de Redução (SREs) quando elas expirarem no início de maio", disse a Casa Branca em um comunicado. "Esta decisão tem como objetivo zerar as exportações de petróleo do Irã, negando ao regime sua principal fonte de renda."

A decisão, tomada pelo presidente Donald Trump, elevou os preços do petróleo às máximas de 2019, embora a Casa Branca tenha dito que os EUA estão trabalhando com a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos para garantir que o mercado de petróleo seja "abastecido adequadamente". 

Os preços do petróleo Brent trabalham em alta após tocarem mais cedo uma máxima de US$ 74,31 por barril, maior nível desde o início de novembro. 

"A administração Trump e nossos aliados estão determinados a manter e ampliar a campanha de máxima pressão econômica contra o Irã para acabar com a atividade desestabilizadora do regime que ameaça os EUA e nosso sócios e aliados, assim como a segurança no Oriente Médio", completou a Casa Branca.

Entre os oito países que Washington havia colocado na isenção de 180 dias - que acabará em 2 de maio - estão alguns dos maiores compradores do petróleo produzido pelo Irã: China, Turquia e Índia.

O governo de Narendra Modi, aliás, apesar de manter boas relações com Washington não concorda com a insistência dos EUA de que o Irã representa uma ameaça. Os demais países beneficiados pela isenção são Grécia, Itália, Japão, Coreia do Sul e Taiwan, mas todos já reduziram drasticamente a importação do petróleo iraniano.

Os Estados Unidos voltaram a impor sanções em novembro às exportações de petróleo iraniano depois que Trump retirou-se unilateralmente de um acordo nuclear de 2015 entre o Irã e seis potências mundiais. Trump criticou frequentemente o acordo, alcançado pelo antecessor Barack Obama, como "o pior negócio de todos os tempos". / AFP, EFE e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.