EUA precisam de ajuda no Iraque, diz comandante

O principal comandante dos Estados Unidos no Iraque afirmou que precisa de mais forças internacionais para enfrentar uma série de ameaças potenciais à segurança do país, como terroristas da Al-Qaeda, combatentes iranianos e choques entre milícias étnicas e religiosas. "Se irromper um conflito miliciano ou interno de alguma natureza... seria um desafio que não tenho forças suficientes para lidar", admitiu, numa entrevista coletiva, o general americano Ricardo Sanchez, comandante das forças de coalizão no Iraque."Existem desafios à segurança que estão surgindo no horizonte e que exigem forças adicionais e são questões que com a coalizão, e com o tempo, podem ser resolvidas", disse. Entretanto, ele voltou a insistir que não são necessários mais soldados americanos no Iraque, argumentando que se eclodir um conflito repentino ele rearranjaria forças para contê-lo, mas acrescentou que missões atuais seriam prejudicadas.Sanchez adiantou que tropas dos EUA forçarão o desarmamento das Brigadas Badr, a ala militar do Conselho Supremo para a Revolução Islâmica no Iraque - caso sejam verdadeiras notícias dando conta de que elas foram reativadas após o atentado com carro-bomba que matou o aiatolá Mohammed Baqir al-Hakim e outras dezenas de pessoas. Tropas dos EUA haviam ordenado o desarme e desmobilização da milícia xiita no início da ocupação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.