EUA prendem acusados de financiar Talebã paquistanês

Entre os três detidos estão dois imãs da Flórida; outros três suspeitos ainda estão soltos no Paquistão.

BBC Brasil, BBC

14 de maio de 2011 | 15h42

Autoridades americanas acusaram seis pessoas de financiar e apoiar o Talebã paquistanês, informou o FBI neste sábado.

Três delas são cidadãos americanos que vivem ou já viveram na Flórida, incluindo dois imãs de mesquitas na região de Miami. Eles estão presos e vão se apresentar esta semana em cortes americanas.

Os outros três acusados estão soltos no Paquistão, incluindo a filha e o neto de um dos imãs.

Eles são acusados de apoiar crimes envolvendo assassinatos, sequestros e mutilações de pessoas fora do país e de apoiar o Talebã. Se condenados, cada um pode pegar cerca de 15 anos de prisão.

O imã também foi acusado de instalar uma madrassa, escola religiosa, na região paquistanesa de Swat, que forneceria abrigo para os militantes do Talebã.

As prisões ocorreram um dia após o Talebã paquistanês ter matado mais de 80 pessoas no país, em vingança pela morte do líder da Al Qaeda, Osama Bin Laden.

As acusações vêm à tona em um momento de tensão entre os Washington e Islamabad, que surgiu após o ataque americano que matou o líder da Al Qaeda.

Operações suspeitas

Segundo a promotoria americana, o FBI e autoridades da Flórida iniciaram a investigação sobre os acusados após examinarem transações financeiras suspeitas e outras evidências.

Os três americanos acusados são Hafiz Khan, que tem 76 anos e é imã da Mesquita Flagler, em Miami, e seus dois filhos Irfan, de 37 anos, e Izhar, de 24. Izhar também é imã, mas na mesquita de Jamaat al-Mumineen, em Margate, a 50 quilômetros de Miami.

A filha e o neto de imã Hafiz, Amina e Alam Zeb, respectivamente, também foram acusados, mas estão no Paquistão, assim como Ali Rehman.

"Hoje os terroristas perderam outra fonte de financiamento, que usam contra inocentes e contra os interesses americanos. Não vamos permitir que esse país seja usado como base para financiar e recrutar terroristas", disse o agente do FBI John Gillies.

Segundo Gillies, durante uma conversa gravada sobre a mrote de sete soldados americanos no Afeganistão, Hafiz Khan teria dito que esperava que Deus matasse outros 50 mil.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.