EUA prendem dois refugiados do Oriente Médio por acusações de terrorismo

Detenções dos suspeitos, que não estão envolvidos em plano específico, aconteceram na Califórnia e no Texas; eles são palestinos e foram acusados de apoiar o EI e fornecer informações falsas sobre vínculos com grupos terroristas internacionais

O Estado de S. Paulo

08 Janeiro 2016 | 12h53

WASHINGTON - Dois homens do Oriente Médio que foram para os Estados Unidos na condição de refugiados foram presos sob acusações federais de terrorismo na Califórnia e no Texas por supostamente apoiarem grupos militantes islâmicos, disseram autoridades dos EUA na noite de quinta-feira.

Esses são os mais recente casos em uma série de incidentes semelhantes em uma campanha dos EUA contra o extremismo, mas nenhum dos homens foi acusado de tramar um ataque direto contra o país. "Não existe uma ameaça atual para a segurança pública relacionada com as detenções", disse o porta-voz do Departamento de Justiça, Marc Raimondi.

Um dos homens foi acusado de apoiar o grupo militante Estado Islâmico no exterior, e ambos foram acusados de fornecer informações falsas sobre seus vínculos com o que as autoridades descreveram como grupos terroristas internacionais.

Os homens, presos em Sacramento e Houston, não estavam envolvidos em um plano específico, mas podem ter estado em contato um com o outro, disse uma fonte familiarizada com os dois casos. Ambos são palestinos que nasceram no Iraque. 

O homem preso em Houston, Omar Faraj Saeed Hardan, entrou nos EUA como um dos refugiados iraquianos em novembro de 2009, de acordo com um documento judicial. Em Sacramento, o Departamento de Justiça dos EUA disse que Aws Mohammed Younis Jayab, de 23 anos, foi para os EUA em 2012 como refugiado da Síria.

Houve mais de 75 prisões divulgadas de moradores dos Estados Unidos que supostamente foram radicalizados por militantes muçulmanos desde 2014. / REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.