EUA "preocupados" com a democracia no Paquistão

OS EUA expressaram preocupação a respeito das iniciativas do presidente paquistanês, general Pervez Musharraf, para ampliar seus poderes, dizendo que elas podem impedir uma eventual restauração da democracia no país do Sul da Ásia. No próprio Paquistão, os partidos políticos rejeitaram por unanimidade a proposta do presidente, de reformar a Constituição antes das eleições parlamentares de 19 de outubro próximo. Em Washington, um porta-voz do Departamento de Estado, Phillip T. Reeker, disse que "nós estamos preocupados com as recentes decisões (de Musharraf), que podem dificultar a construção de fortes instituições democráticas no Paquistão". "É de vital importância que uma democracia plena e um governo civil sejam restaurados no Paquistão", acrescentou. Reeker disse que o subsecretário de Estado Richard Armitage, que está visitando a Ásia, chegará a Islamabad no sábado para conversar com Musharraf sobre as mudanças na Carta, anunciadas na quarta-feira pelo general, e também sobre outros temas. Na capital paquistanesa, os principais partidos políticos - desde a esquerda populista da ex-premier Benazir Bhutto até a direita islâmica - rejeitaram hoje as reformas constitucionais propostas pelo mandatário, criticadas asperamente na imprensa internacional, particularmente na imprensa americana. Em uma concordância pouco usual, os partidos afirmaram que as emendas à Constituição pretendidas por Musharraf são uma pá de cal sobre o que restava da democracia paquistanesa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.