EUA preparam nova política para facilitar imigração de cubanos

Animada pela surpreendente decisão de Fidel Castro de abrir mão do poder, a administração Bush está se preparando para facilitar algumas regras de imigração para os cubanos que querem viver nos Estados Unidos, objetivando reunir as famílias agora separadas pela política e pelo mar.O projeto, ainda sob debate, procura desencorajar uma migração em massa de Cuba por águas agitadas - uma jornada que viola a atual lei de imigração e coloca vidas em risco. Mas autoridades disseram que também esperam que as regras mais maleáveis motivem os cubanos a pressionarem o regime de Castro por uma permissão oficial para ir aos Estados Unidos.Ressaltando que qualquer alteração ainda não era definitiva, as autoridades disseram que as mudanças poderiam ser anunciadas ainda esta semana."Juntas, elas promovem a migração segura, legal e ordenada, enquanto também apóiam os cubanos em suas aspirações por uma sociedade livre e próspera", diz uma cópia dos pontos de discussão do Departamento de Segurança Interna obtida pela Associated Press na segunda-feira.O Departamento de Segurança Interna supervisiona a Política de Imigração dos Estados Unidos.A administração vem mantendo segredo sobre quaisquer modificações desde que Castro surpreendeu o mundo delegando temporariamente o poder a seu irmão, Raul, há uma semana, para que pudesse se recuperar de uma cirurgia. Autoridades americanas dizem temer que qualquer sinal de uma política de imigração mais maleável poderia levar a uma migração em massa de Cuba.Viagem perigosaPara desencorajar os cubanos a viajarem para os Estados Unidos de barco ou balsa, a administração está considerando planos para cancelar ou rejeitar os pedidos de visto daqueles que forem detidos tentando entrar ilegalmente no país. Atualmente, os cubanos apanhados no mar são deportados ou levados à Base Naval americana em Guantánamo para entrevistas sobre asilo político, se necessário, mas não enfrentam qualquer penalidade se tentarem obter o visto no futuro.Estima-se que cerca de 125 mil cubanos deixaram a ilha em abril de 1980, seguidos por mais 40 mil em agosto de 1994. As autoridades americanas dizem que atualmente menos de mil cubanos chegam ao litoral americano anualmente.Sob a política dos "pés secos", a maioria dos cubanos que chegam ao solo americano podem permanecer no país, enquanto aqueles interceptados durante a viagem são mandados de volta a Cuba. Os documentos indicam que as medidas para ajudar mais cubanos a imigrar para os Estados Unidos estavam sendo discutidas antes de Fidel tomar a decisão de delegar o poder. "A administração vem considerando possíveis mudanças há algum tempo", observou uma lista de possíveis perguntas e respostas incluída nos pontos de discussão do Departamento de Segurança Interna."Nós esperaremos que - e deixaremos isso bem claro - se Cuba tem a possibilidade de se transformar de uma situação tirânica para um tipo diferente de sociedade, os cubanos deverão decidir", disse o presidente americano, George W. Bush, na segunda-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.