EUA preparam transferência de americanos com Ebola

O governo dos Estados Unidos está preparando um plano para a retirada dos dois cidadão norte-americanos que foram diagnosticados com Ebola no oeste da África. Um pequeno jato privado foi mandado para a Libéria para buscar os doentes, que trabalhavam como voluntários no país.

Estadão Conteúdo

01 de agosto de 2014 | 16h34

O Departamento de Estado e o Centro para Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, que organizam o transporte, informaram que o avião está equipado com proteção especial para lidar com pacientes vítimas de doenças altamente contagiosas.

"A segurança dos cidadãos americanos é a nossa principal preocupação", informou em comunicado a porta-voz do Departamento de Estado, Marie Harf. "Toda precaução possível está sendo tomada para o transporte seguro dos pacientes."

Os norte-americanos Kent Brantly e Nancy Writebol estão em estado grave, segundo a instituição de caridade americana pela qual trabalhavam na Libéria, o Fundo Samaritano, e devem ser levados aos EUA no começo da próxima semana. Uma fonte próxima aos profissionais, no entanto, afirmou que eles devem deixar a Libéria ainda nesta sexta-feira.

Os pacientes devem ser levados ao Hospital Universitário de Emory, em Atlanta, onde receberão tratamento experimental contra a doença.

O Ebola não tem cura ou tratamento conhecido e pode matar os infectados em poucos dias, provocando febre alta e dores musculares, vômitos, diarreia e, em alguns casos, falência dos órgãos e hemorragia. O surto, iniciado em março, já é considerado o mais grave da história. A mortalidade do Ebola é de cerca de 60%. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ÁfricaEbolaamericanos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.