EFE/MIGUEL GUTIÉRREZ
EFE/MIGUEL GUTIÉRREZ

EUA pressionam governo chavista para que reconsidere situação de líder opositor e pedem eleições

Secretário de Estado americano, Rex Tillerson, também pediu que Nicolás Maduro ‘restabeleça a ordem democrática’ e respeite o direito à manifestação

O Estado de S.Paulo

11 Abril 2017 | 11h03

WASHINGTON - Os EUA pressionaram na segunda-feira 10 o governo do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, para que "reconsidere" a inabilitação de 15 anos para o exercício de cargos públicos imposta ao líder opositor Henrique Capriles na semana passada e para que Caracas convoque eleições "livres e justas".

"Os EUA veem com profunda preocupação as ações do governo venezuelano para impedir que Capriles - ex-candidato presidencial - participe da vida pública do país durante 15 anos", diz um comunicado do Departamento de Estado americano.

A pasta liderada pelo secretário de Estado americano, Rex Tillerson, pede que Maduro "reconsidere a decisão de inabilitar Capriles", "restabeleça a ordem democrática" e convoque eleições "livres e justas" em "harmonia com os instrumentos internacionais".

No comunicado, o Departamento de Estado também citou os protestos recentes na Venezuela, pediu que o governo "respeite" o direito à manifestação e para que os manifestantes se expressem de forma "não violenta".

"Exigimos aos manifestantes que se expressem de maneira não violenta e pedimos às forças de segurança do governo que protejam os protestos pacíficos", disse o Departamento de Estado após os distúrbios ocorridos no território venezuelano.

"A liberdade de manifestação é um direito humano universal que as autoridades venezuelanas devem respeitar", acrescentou o comunicado.

ONU. O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos pediu nesta terça-feira, 11, ao governo da Venezuela que respeite o direito à manifestação pacífica e à liberdade de expressão de seus cidadãos, e fez um apelo "a todas as partes" a renunciar à violência.

"Estamos preocupados com os relatórios sobre (atos de) violência durante os protestos. Fazemos uma chamada ao governo da Venezuela para garantir que seja respeitado o direito à manifestação pacífica e à liberdade de opinião", afirmou a porta-voz do alto comissariado, Elizabeth Throssell, em um comunicado. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.