EUA pretendem reforçar alianças militares no Magreb

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Donald Rumsfeld, afirmou hoje na capital da Tunísia que seu país pretende reforçar as relações militares com o Magreb, como ponto de partida para um novo projeto de segurança no Mediterrâneo e para a manutenção da luta contra o terrorismo. Rumsfeld fez a declaração ao término de uma reunião com o presidente da Tunísia, Zine Al-Abidine Ben Ali, a quem homenageou pelo "papel de seu país na luta contra o fundamentalismo radical".Fazendo alusão aos atentados terroristas de 11 de setembro nos EUA e ao que ocorreu na ilha tunisiana de Jerba em abril de 2002, o secretário americano acrescentou que "os dois países foram atacados por extremistas, e que por isso os dirigentes de ambos sabem a importância da guerra que está sendo travada contra o terror".Em seguida Rumsfeld ressaltou a importância de alianças entre países amigos "na luta contra o mal". "A Tunísia desempenha um papel fundamental nessa batalha dentro de suas fronteiras e no Magreb". Os Estados Unidos prestam assistência militar avaliada em US$ 13 milhões à Tunísia, incluindo a parte correspondente à formação de oficiais em academias militares norte-americanas.Rumsfeld analisou sua atual visita à região do Magreb, que compreende Tunísia, Argélia e Marrocos, dizendo que seus parâmetros vão além da luta contra o terrorismo, com ênfase também no estreitamento de opiniões sobre a crise no Oriente Médio. O Secretário de Estado confirmou que tinha tratado sobre a situação no Iraque e a formação de um novo gabinete no país, onde o nível de tensão segue crescendo, com o perigo de uma guerra civil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.