EUA punem três soldados por tortura no Iraque

O Exército americano dispensou três soldados por abuso de prisioneiros em um centro de detenção no Iraque, informa um porta-voz. Os três deveriam enfrentar corte marcial, mas optaram por audiências extrajudiciais, nas quais a conduta de cada um foi analisada por um oficial, sem a interferência de jurados. O general Ennis Whitehead III considerou os três culpados de maltratar prisioneiros no Campo Bucca, sul do Iraque, em 12 de maio do ano passado. Ele rebaixou dois dos soldados e ordenou que os três fiquem sem salário por dois meses.A sargento Lisa Marie Girman foi considerada culpada de derrubar um prisioneiro no chão, ?chutando-o repetidas vezes na virilha, abdome e cabeça, e encorajando subordinados a fazer o mesmo?. Ele recebeu uma dispensa ?não honrosa? de seu comandante imediato. O sargento Scott A. McKenzie foi condenado por arrastar um prisioneiro, forçá-lo a abrir as pernas ?e incentivar outros a chutá-lo na virilha?. McKenzie também foi condenado por outras agressões e perjúrio. Foi rebaixado de posto e recebeu ?dispensa honrosa?.O soldado-especialista Timothy F. Canjar foi condenado por perjúrio e agressão, incluindo ?torcer o braço ferido? de um prisioneiro ?fazendo-o gritar de dor?. Canjar foi rebaixado a recruta e teve ?dispensa honrosa?. Um quarto militar estava sob investigação, mas pediu e recebeu dispensa ?não honrosa? do serviço militar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.