EUA quer aumentar segurança nas embaixadas

O governo dos EUA está orientando todos os postos diplomáticos fora do país a reverem suas condições de segurança. O Departamento de Estado americano disse que vai enviar ajuda adicional a embaixadas e consultados que precisarem.

Estadão Conteúdo

08 de setembro de 2014 | 17h00

O órgão enviou uma carta ao senador de Idaho Jim Risch indicando que cada posto diplomático americano estava revendo sua segurança para proteger sua equipe, instalações e interesses.

Essa iniciativa vem no momento que o Comitê de Inteligência do Senado americano está prestes a divulgar partes de um relatório documentando suspeitas de abusos cometidos pela CIA contra suspeitos de terrorismo depois do ataque em 11 de setembro de 2001. A CIA tem contestado as conclusões do documento.

O Departamento de Estado disse que uma apresentação pública dos métodos grosseiros de interrogatório, incluindo o que investigadores do Senado descrevem como casos de tortura, poderiam levar a uma "variedade de reações" pelo mundo.

Preocupações sobre possíveis efeitos da publicação desse relatório estão mais fortes agora que se aproxima o aniversário de dois anos do ataque contra o consulado americano em Benghazi, na Líbia, que matou o embaixador Chris Stevens e três outros americanos.

Assessores legislativos afirmam que uma versão censurada com cerca de 500 páginas das 6.600 páginas do relatório pode ser distribuída neste mês, mas não nesta semana.

A CIA contesta as conclusões do documento, especialmente as afirmações de que afogamento simulado e outras "técnicas de interrogatório" não resultem em informações válidas e que a agência de inteligência enganou a administração Bush, o Congresso americano e a população quanto ao valor do tratamento severo. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.