EUA querem atenção para o Brasil

Um grupo de especialistas e empresários sugeriu ao presidente Bush uma mudança urgente na política dos Estados Unidos para a América do Sul, com destaque para o Brasil. Durante um ano e meio uma força-tarefa patrocinada pelo Conselho de Relações Exteriores dos Estados Unidos, com 21 especialistas e empresários, estudou a relação do país com o Brasil e produziu um relatório sobre a necessidade de revê-la. O relatório foi enviado com carta aberta ao presidente George W. Bush, recomendando uma mudança urgente na política dos EUA para a América do Sul, em cujo centro deveria estar o Brasil. ?O Brasil é o fulcro?, diz o texto. Sem uma intensa parceria com o País, a Área de Livre Comércio nas Américas (Alca) não será proveitosa para os EUA nem para o continente. O relatório teve a intenção de alertar o presidente, em início de mandato, para que inclua em suas primeiras medidas a redefinição da atitude dos EUA ? historicamente paternalista ou desdenhosa ? com respeito ao maior país sul-americano. O Brasil, diz o relatório, possui PIB duas vezes maior que o russo, grande mercado de consumo e parque industrial avançado, em que a adesão a novas tecnologias é crescente. Com a estabilidade econômica obtida nos últimos anos, começa a entrar em fase de crescimento respeitável e com baixa inflação. Vem consolidando a democracia e modernizando a produção. E é o maior país da América do Sul e o líder do Mercosul. Logo, constitui o parceiro ideal para ações nas áreas de segurança, política e comércio.Leia mais no Estado de S. Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.