EUA querem dados confidenciais de seus visitantes europeus

A partir de hoje as companhias aéreas européias serão obrigadas a passar à polícia norte-americana dados confidenciais sobre os passageiros que comprem bilhetes para ir aos Estados Unidos. A medida tem como objetivo tentar identificar possíveis terroristas que tenham passado pela Europa antes de entrar no território norte-americano. Nas principais capitais européias, as empresas não receberam bem a notícia, mas já foram avisadas pela Casa Branca de que serão multadas caso não colaborem. A Swiss, por exemplo, ainda não adotou a medida por considerar que não está claro o que será feito com as informacões que passarão para Washington. As empresas terão 30 dias para se adequar à nova lei norte-americana. Entre os dados que serão passados aos Estados Unidos estão o número do cartão de crédito da pessoa que comprou a passagem, o tipo de alimentacão pedida pela pessoa à bordo e até mesmo religião do passageiro. Com essas informacões, os Estados Unidos vão classificar passageiro de acordo com o risco que ele pode representar. Caso as autoridades norte-americanas concluem que o risco é alto, o passageiro não poderá deixar o aeroporto no qual ele tenha desembarcado nos Estados Unidos. A nova medida de seguranca promete causar ainda mais transtornos nos aeroportos europeus. As perguntas serão feitas no momento em que o passageiro for realizar o seu check-in no balcão da empresa. O tempo para embarcar, portanto, pode ser ainda maior.Ongs ainda acusam Washington de estar praticando uma invasão de privacidade, o que representaria uma violacão a um dos direitos fundamentais dos cidadãos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.