EUA querem ´engajar´ latinos, diz subsecretário de Estado

O subsecretário de Estado americano para o Hemisfério Ocidental, Thomas Shannon, disse nesta terça-feira que chegou a hora de o governo Bush ?engajar a América Latina?.Shannon foi o principal palestrante da VI Conferência sobre América Latina, promovida hoje em Nova York pelo centro de pesquisas Americas Society/ Council of the Americas.?O subsecretário (de Estado Nicholas) Burns já falou disso: se engajarmos (a América Latina) de uma forma inteligente, nós teremos um impacto significativo na região.?Ao comentar a rodada de treze eleições presidenciais realizadas na região em 2006, Shannon disse que os Estados Unidos ?deixaram a ideologia de lado?, acrescentando que ?o que importa para a secretária (de Estado Condoleezza) Rice é o compromisso (dos líderes eleitos) com a democracia e as reformas necessárias.?Cuba e VenezuelaIndagado sobre as relações americanas com a Venezuela, Shannon disse que os ?Estados Unidos não desejam uma política de confrontação com o governo do presidente Hugo Chávez?, e que o Departamento de Estado ?pretende melhorar o tom e a textura de nossa mensagem? em relação à Venezuela.Quanto à Cuba, Shannon disse que ?um novo momento está chegando - o da morte de Fidel Castro?, mas que, por enquanto, apesar da oferta do presidente em exercício de Cuba, Raúl Castro, de abertura de diálogo com o governo americano, ?agora o regime cubano deve dialogar com o povo cubano?.?Nós podemos ajudar no diálogo. Mas não acreditamos que já chegou a hora de nos engajarmos (com o governo cubano).?ComércioEm relação aos obstáculos que impediram a criação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca), Shannon afirmou que os países latino-americanos se encontram rachados sobre o livre comércio. ?À exceção da Venezuela, todos os demais países estão comprometidos com o livre comércio, mas temos obstáculos em relação aos prazos (para a abertura comercial)?, disse.Segundo o subsecretário, de um lado, os países andinos e os centro-americanos caribenhos estão mais dispostos a acelerar o processo de liberalização comercial nas Américas, enquanto os países do Mercosul reivindicam a redução dos subsídios agrícolas americanos como uma condição para facilitar o acesso aos seus mercados.?Estamos com a agenda travada?, disse. ?Ainda não encontramos um jeito mágico de remover os obstáculos.?Perguntado sobre o que o Brasil e os Estados Unidos poderiam fazer para remover tais obstáculos em nível bilateral, Shannon disse que ?ambos os países têm políticas comerciais agressivas, o que é uma coisa positiva? e que a questão deverá ser decidida no âmbito da Rodada de Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.