AP /Julie Jacobson
AP /Julie Jacobson

EUA querem impor sanções a europeus que negociarem com Irã

Por novo pacto nuclear com iranianos, conselheiro de Segurança Nacional defende punições a empresas europeias

O Estado de S.Paulo

14 Maio 2018 | 20h21

WASHINGTON - Os Estados Unidos ameaçaram nesta segunda-feira, 14, punir com sanções as empresas europeias que continuem a negociar com o Irã. O conselheiro de Segurança Nacional de Donald Trump, John Bolton, confirmou em entrevista a rede americana CNN a intenção de pressionar os aliados europeus para que eles busquem mais restrições ao programa nuclear do Irã.

+ Cenário: Conflito regional não é apenas cenário de ensaio acadêmico

“Pode haver sanções contra as empresas, mas tudo vai depender da conduta dos governos”, afirmou Bolton. O conselheiro também disse acreditar que alguns países europeus acabarão apoiando os EUA, apesar dos comentários de líderes europeus lamentando a decisão de Trump. “No fim das contas, os europeus verão que é do interesse deles concordar com o fim do acordo”, afirmou Bolton. 

Os países europeus, no entanto, ainda resistem. A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou que tentará manter o país no pacto. Jean-Yves Le Drian, ministro das Relações Exteriores da França, disse na sexta-feira que pediu isenções ou períodos de carência mais longos para a saída de empresas francesas do Irã, como a gigante petrolífera Total e a montadora Peugeot.

Os americanos querem impor restrições mais duras às atividades nucleares do Irã, incluindo restringir o programa de mísseis do país. Também exigem redução do apoio iraniano a grupos militantes na Síria e no Iêmen. O novo acordo substituiria o Plano de Ação Conjunta Global, como é conhecido o pacto assinado em Viena, em 14 de julho de 2015, entre o Irã e os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU – EUA, China, Rússia, França e Reino Unido – e a Alemanha.

+ Trump retira EUA do acordo nuclear iraniano

As declarações de Bolton escancararam mais uma divisão na cúpula do governo Trump. Enquanto o conselheiro de Segurança Nacional e sua equipe defendem o endurecimento do acordo com o Irã para tentar aniquilar as pretensões geopolíticas iranianas na região, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, tem defendido uma aproximação dos europeus para buscar um novo acordo com Teerã.

No domingo, Pompeo disse à Fox News que pretende se aproximar dos diplomatas europeus nos próximos dias para buscar um novo acordo, o que dispensaria a necessidade de impor sanções duras às empresas europeias.

O esforço de Pompeo deve enfrentar obstáculos além do próprio Bolton. Diplomatas europeus reclamaram que o governo Trump retirou-se do acordo com o Irã no momento em que eles ainda tentavam entender quais seriam as novas exigências de Washington sobre Teerã. 

Irã não atacará países vizinhos, mas continuará a produzir armas, garante Rohani 

Para Dennis Ross, ex-diplomata dos EUA no Oriente Médio, crítico do acordo firmado em 2015, Trump cometeu o erro de desagradar a todos os envolvidos. “Você só sai de um acordo se conseguir um acordo melhor – e Trump não tem nenhuma chance de conseguir um acordo melhor”, escreveu Ross no site do Washington Institute. “Ele irritou os iranianos, que não querem um novo acordo, e os europeus, que não querem sanções às suas empresas.” / W.POST, NYT e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.