EUA querem que Bolívia explique expulsão de americano

Os Estados Unidos querem manter relações diplomáticas com a Bolívia, mas ainda têm de receber uma explicação "coerente" para a expulsão de um diplomata norte-americano pelo governo Evo Morales, disse hoje o secretário de Estado assistente para Assuntos Latino-Americanos, Tom Shannon. O segundo-secretário da embaixada dos EUA, Francisco Martinez, deixou La Paz ontem depois de ser declarado persona non grata pelo governo boliviano e ter recebido o prazo de 72 horas para sair do país.

AE, Agencia Estado

13 de março de 2009 | 17h00

"Nós precisamos de um amplo diálogo diplomático e um diálogo de alta qualidade", disse Shannon. "E, lamentavelmente, até este ponto, na medida em que buscamos engajar os bolivianos nas questões que provocaram suas próprias ações, ainda temos de receber o que consideramos ser uma resposta coerente e consistente". Morales ordenou a saída de Martinez do país depois de acusá-lo de "conspirar" contra seu governo de esquerda.

O embaixador norte-americano na Bolívia, Phillip Goldberg, foi expulso em setembro, deixando a embaixada sem um representante graduado dos EUA. "Nós continuaremos a nos aproximar dos bolivianos na expectativa de que possamos tratar as questões fundamentais que afetaram nosso relacionamento", afirmou. Mas segundo ele, os bolivianos "têm de estar preparados para se comprometerem-se sobre questões que são importantes para nós, na mesma forma que nos comprometemos com eles com assuntos que são importantes para eles". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
diplomaciaEUABolíviaexpulsão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.