EUA querem que Brasil dê imunidade a seus soldados no TPI

A embaixadora dos Estados Unidos no Brasil Donna Hrinak, admitiu hoje (04) que o governo americano está negociando com o Brasil e outros países acordos bilaterais para garantir a imunidade aos soldados americanos em possíveis processos no Tribunal Penal Internacional (TPI).Hrinak afirmou que o tema faz parte da agenda bilateral com ogoverno brasileiro e que Washington espera obter avanços nessasdiscussões ainda no mandato do presidente Fernando HenriqueCardoso."É certo que estamos tentando chegar a acordos, com base noartigo 98 do tratado (que criou o tribunal). Estamos negociandocom muitos países do mundo. O Brasil é um dos países", afirmouHrinak. "Apresentamos nossas idéias para o governo brasileiro.Estamos em discussões, como parte da agenda bilateral. Vamosfazer o progresso que pudermos nos últimos meses deste governo" completou.Hrinak deixou claro que não se trata de uma missão apenas desua embaixada, mas que os Estados Unidos estão movendopraticamente todos os seus postos no exterior para conseguir aimunidade a suas tropas. O governo americano foi um dos poucos ase opor à criação do Tribunal, que começou a funcionar em 1º dejulho deste ano. Conforme divulgou ontem a AE, recente relatório da Anistia Internacional informa que Washington estápressionando pelo menos 60 países para que assinem esse acordo,entre os quais o Brasil. Fontes do Itamaraty completaram que ogoverno brasileiro considera essa iniciativa como uma forma delimitar o alcance do TPI.A embaixadora argumentou que "há falhas enormes" no tratadoque previu a criação do Tribunal, que será responsável porjulgar crimes contra a humanidade e de guerra e genocídios. Emseu ponto de vista, um deles seria o fato de o TPI não estarsubordinado a nenhuma organização ou mesmo ao Conselho deSegurança da Organização das Nações Unidas (ONU) - no qual osEstados Unidos têm, além de poder de veto, forte influência nasdecisões. Entretanto, o governo americano teme também que suasações militares de combate ao terrorismo levem seus soldados aobanco de réus desse Tribunal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.