EUA querem que G8 condene Hezbollah e Hamas

Os Estados Unidos tentam conseguir que os países do G-8 (sete países mais ricos do mundo, mais a Rússia), que iniciam sua cúpula anual neste sábado em São Petersburgo, aprovem uma resolução que condene a milícia xiita libanesa do Hezbollah e o movimento islâmico palestino Hamas. O conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Stephen Hadley, explicou que a resolução criticaria também o Irã e a Síria por "atuarem de modo que põe em perigo a paz".Em declarações aos jornalistas que acompanham o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, na cúpula, Hadley indicou que a resoluçãotambém expressaria a necessidade de apoiar o governo libanês e demanter a democracia no país.Bush abordou neste sábado a crise em sua reunião com o presidente russo,Vladimir Putin. Ambos expressaram sua "preocupação" acerca do aumento da violência e condenaram o Hezbollah, embora Putin também tenha exortado Israel a responder de maneira "equilibrada".Segundo o principal assessor de política externa da Casa Branca, existe "um acordo crescente sobre o papel do Hezbollah como precipitador" da situação.Também, assegurou Hadley, existe um consenso sobre o fato de queo governo liderado pelo primeiro-ministro Fouad Siniora foi eleitopelo povo libanês e como tal é preciso apoiá-lo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.