EUA querem que órgão da ONU para direitos se expresse sobre Irã

Os Estados Unidos disseram nesta sexta-feira estarem trabalhando para convencer membros do Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) a expressar solidariedade com as vítimas da violência e repressão após a polêmica eleição do Irã.

STE, REUTERS

11 de junho de 2010 | 16h32

A embaixadora dos EUA, Eileen Chamberlain Donahoe, disse esperar que o fórum, de 47 membros, adote uma declaração mais forte sobre o Irã na próxima semana.

"(A declaração) tem intenção de mostrar solidariedade com os defensores dos direitos humanos, ao invés de condenação ao governo", disse Donahoe à Reuters.

A declaração adicionará pressão ao Irã após a quarta rodada de sanções aprovada pelo Conselho de Segurança da ONU na quarta-feira para punir o país por seu polêmico programa nuclear.

Os EUA estão fazendo pressão para que outros países apoiem o texto, que deve ser apresentado na terça-feira, possivelmente pela Noruega, disseram fontes da ONU.

Donahoe disse que o objetivo é também destacar as condições dos iranianos um ano após a polêmica eleição presidencial, que provocou os maiores protestos de rua desde a Revolução Islâmica, de 1979.

"Estamos preocupados que, devido à violência e brutalidade do governo, eles estão sendo intimidados ao contar suas histórias", disse Donahoe. "A verdade não está saindo".

A oposição iraniana cancelou na quinta-feira uma manifestação para celebrar o aniversário da eleição por temores com a vida dos participantes diante de qualquer repressão do governo.

Tudo o que sabemos sobre:
ONUIRADIREITOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.