EUA querem reinício das negociações entre Moscou e rebeldes

Os Estados Unidos acreditam que as operações militares na república russa da Chechênia devem ser paralisadas e negociações devem ser iniciadas o mais rápido possível, afirmou hoje o embaixador americano em Moscou, Alexander Vershbow. Segundo o diplomata, as discussões devem ser lançadas para encorajar os rebeldes checehenos a entregar suas armas.De acordo com a agência de notícias russa Interfax, Vershbow afirmou que depende de Moscou decidir como negociar. Mas ele acredita que o presidente rebelde checheno, Aslan Maskhadov, continua uma figura importante na região.Desde que o segundo conflito na Chechênia começou, em 1999, representantes de Maskhadov se reuniram com oficiais russos apenas uma vez. O encontro terminou em fracasso devido à recusa dos rebeldes em limitar as conversações apenas ao desarmamento, e a não aceitação de Moscou em discutir o status político da região.Nesta semana, Maskhadov enviou uma carta aberta aos líderes do G-7 - os sete países mais industrializados do mundo -, pedindo a eles que pressionem o presidente russo, Vladimir Putin, para que este aceite o reinício das conversações. O ministro da Defesa da Rússia, Sergei Ivanov, rejeitou imediatamente a idéia de negociar com Maskhadov, chamando-o de criminoso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.