EUA querem vaga em órgão de direitos humanos da ONU

Os Estados Unidos tentarão obter uma cadeira no Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) neste ano. A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, e a embaixadora dos EUA na ONU, Susan Rice, disseram em comunicado que o governo tentará ser eleito para o conselho, a fim de ajudar a tornar mais efetivo o desejo do presidente Barack Obama de criar uma "nova era de engajamento" na comunidade internacional.

AE-AP, Agencia Estado

31 de março de 2009 | 20h31

A administração do ex-presidente George W. Bush boicotou o conselho por suas repetidas críticas a Israel e por sua recusa em citar flagrantes abusos no Sudão e em outros países. "Os direitos humanos são um elemento essencial na política externa global americana", disse Hillary. Susan defendeu que, com a entrada, o país pode, "de dentro", tornar o conselho "um fórum mais efetivo para promover e proteger os direitos humanos".

Sediado em Genebra, o conselho foi criado em 2006 em substituição à Comissão de Direitos Humanos da ONU, vista como ineficaz. O órgão tem atualmente 47 membros, que cumprem mandatos de três anos. A próxima eleição ocorrerá em 15 de maio na Assembleia-Geral da ONU, em Nova York. Funcionários envolvidos com o tema dizem que há o temor de que os EUA não consigam a vaga. Há também a expectativa de alguns de que a presença norte-americana cause descontentamento em Israel e possa não ter o efeito desejado nos outros membros do conselho.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAONUdireitos humanosconselho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.