EUA reafirmam apoio à ação da OEA na Venezuela

A Casa Branca reafirmou seu apoio às gestões realizadas pela Organização dos Estados Americanos (OEA) na Venezuela, e disse esperar uma solução eleitoral para a crise no país. O comentário foi formulado pelo porta-voz Ari Fleischer, que também pediu aos venezuelanos que se afastem da violência, no dia em que teve início a segunda semana uma greve nacional contra o presidente Hugo Chávez. O diálogo entre a oposição e os delegados do governo, que havia sido suspenso desde 2 de dezembro, quando se iniciou a paralisação, foi retomado no sábado à noite, mas ainda sem avanços. O secretário-geral da OEA, César Gaviria, que está em Caracas desde o mês passado, disse esperar prosseguir seus esforços de mediação esta semana. Fleischer declarou que o governo do presidente George W. Bush "reafirma seu total apoio" aos esforços de Gaviria em busca de uma "solução pacífica, democrática, constitucional e eleitoral para a crise na Venezuela". Destacou que dias atrás houve "declarações claras" de países membros da OEA em apoio às gestões de Gaviria. "Invocamos às partes que atuem responsavelmente, continuando a apoiar o processo de diálogo e rejeitando a violência´, afirmou. A Venezuela é um país de importância para os EUA por ser um de seus principais fornecedores de petróleo - um recurso que o país deseja assegurar, enquanto se prepara para uma guerra contra o Iraque. Desde que os empregados da indústria petrolífera venezuelana começaram a aderir à greve e a paralisar o envio marítimo de combustível para os EUA, Washington intensificou sua preocupação com a crise venezuelana.Ao entrar em sua segunda semana, a greve geral forçou a intervenção da Guarda Nacional sobre o transporte de caminhões e outros serviços. Os postos de gasolina também foram forçados a abrir. As manifestações de ambas as partes do conflito político vêm se realizando em sua maior parte sem apelar para a violência - exceto na sexta-feira, quando um protesto noturno da oposição foi interrompido por um tiroteio. Três pessoas morreram e cerca de 20 ficaram feridas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.