EUA reconhecem Saakashvili como novo presidente da Geórgia

Bush telefonou para Saakashvili para parabenizá-lo pela vitória; manifestantes pediram a anulação das eleições

Efe,

14 de janeiro de 2008 | 16h32

O Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Stephen Hadley, disse nesta segunda-feira, 14, que seu país considera que não houve fraude nas eleições ocorridas no dia 5 de janeiro na Geórgia e que reconhece como ganhador o Mijaíl Saakashvili. O próprio presidente George W. Bush telefonou para Saakashvili para parabenizá-lo pela vitória.  "Está claro que Saakashvili ganhou com mais de 50% dos votos, e, conseqüentemente, evitou o segundo turno" das eleições, disse Hadley à bordo do Air Force One, o avião presidencial americano, que está a caminho de Riad.  A oposição em Geórgia, liderada por Leván Gacheladze, alega que as eleições foram "fraudadas" e exige uma nova votação. Dezenas de partidários se juntaram no domingo, 13, no centro de Tiflis para pedir a anulação do resultado oficial dos comícios. No entanto, para os Estados Unidos, a questão está encerrada e não se discuti a validez das eleições. Hadley disse que Saakashvili se mostrou muito agradecido pela ligação de Bush e comunicou que "vai atender a oposição e tentar chegar a um consenso nacional", declaração que o Conselheiro de Segurança Nacional classificou como "muito atenciosa". "O povo da Geórgia tem um novo presidente e irá adiante a partir dessa premissa", afirmou Hadley.  A Comissão Eleitoral Central da Geórgia confrimou a reeleição de Saakashvili, com 53,47% dos votos. Segundo os resultados oficiais, Gachechiladze recebeu 25,69%, mas o líder da oposição diz que Saakashvili não superou os 50% dos votos e que portanto é necessária uma segunda votação.

Tudo o que sabemos sobre:
Geórgia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.