EUA reforça segurança após tiroteio no Canadá

O Exército americano reforçou a segurança no Túmulo do Soldado Desconhecido, no Cemitério Nacional de Arlington, na Virginia, após o tiroteio no memorial de guerra do Parlamento canadense, nesta quarta-feira. O FBI e o Departamento de Segurança Interna afirmaram, contudo, que não foram feitas ameaças específicas aos EUA.

Estadão Conteúdo

22 de outubro de 2014 | 20h33

O distrito militar de Washington, que supervisiona o 3º Regimento de Infantaria dos EUA, conhecido como The Old Guard, responsável por proteger o monumento que atrai 4 milhões de turistas por ano, afirmou que a segurança adicional foi uma "medida de precaução". A embaixada dos EUA em Ottawa também foi bloqueada.

Em um comunicado, o FBI disse que alertou escritórios e parceiros do governo a se manterem vigilantes frente às incitações recentes de ataques contra funcionários do governo pelo que a agência descreveu como grupos terroristas e indivíduos ligados a eles. "Estamos prontos para auxiliar nossos parceiros canadenses na forma como eles lidam com a situação em curso na capital".

O porta-voz da polícia do Capitólio americano, Shennell Antrobus, afirmou que a força permanece em "nível elevado de alerta", mas não fez nenhuma modificação significante. "Continuamos a monitorar e acompanhar o evento canadense", declarou. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUACanadátiroteio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.