EUA reforçam segurança no Afeganistão após morte de soldados

Nove militares foram mortos durante invasão de base americana por rebeldes; 15 foram feridos na ação

Agência Estado e Associated Press,

14 de julho de 2008 | 13h53

Soldados americanos reforçaram nesta segunda-feira, 14, uma base militar um dia depois de um grupo de rebeldes afegãos ter invadido o local e matado nove militares dos Estados Unidos. Trata-se do mais mortífero ataque contra soldados americanos no Afeganistão em três anos.   O ataque perpetrado no domingo também deixou 15 soldados feridos e aprofundou as dúvidas em torno da capacidade americana de conter os militantes islâmicos que resistem à presença de forças estrangeiras no país centro-asiático. Os atentados no Afeganistão são hoje mais complexos, intensos e coordenados do que há um ano, comentam militares americanos.   A ofensiva contra a base militar em Kunar, no remoto e escarpado nordeste afegão, começou por volta das 4h30 locais da madrugada de domingo. Armados com metralhadores, granadas propelidas por foguete e morteiros, os rebeldes atacaram a partir de casas e de uma mesquita próximas.   Uma fonte na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) qualificou a ofensiva como "uma tentativa orquestrada" de captura da base, estabelecida perto da fronteira com o Paquistão apenas três dias antes do ataque. O número de participantes do ataque é desconhecido, mas militares estrangeiros especulam que entre dezenas e centenas de rebeldes participaram da ação.   Depois da primeira investida, soldados americanos conseguiram forçar o recuo dos agressores com o auxílio de helicópteros de ataque. Segundo uma outra fonte na Otan, mais 40 supostos rebeldes morreram na resposta americana.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.