Kenny Holston/NYT
Kenny Holston/NYT

EUA registram primeiros casos da variante sul-africana do coronavírus

Autoridades não estabeleceram vínculo entre dois pacientes infectados nem identificaram nenhuma viagem recente que possa explicar a contaminação

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de janeiro de 2021 | 18h02

COLUMBIA, EUA - Dois casos de uma variante do coronavírus registrada inicialmente na África do Sul foram detectados pela primeira vez nos Estados Unidos, anunciaram as autoridades da Carolina do Sul nesta quinta-feira, 28.

Os funcionários de saúde do Estado não estabeleceram um vínculo entre os dois pacientes, nem identificaram nenhuma viagem recente em que possam ter se infectado.

Os laboratórios Pfizer e BioNTech anunciaram nesta quinta-feira que sua vacina é eficaz contra as variantes inglesa e sul-africana. A empresa americana de biotecnologia Moderna afirmou, até o momento, que sua vacina contra a covid-19 é eficaz contra a variante britânica, mas que tem proteção reduzida contra a sul-africana.

Os vírus sofrem mutações com frequência, e várias cepas já foram identificadas. 

Uma preocupação, de acordo com o nomeado para cirurgião geral dos Estados Unidos, é que a variante sul-africana possa exigir doses maiores de anticorpos para o tratamento.

"Estou muito preocupado com as variantes, todas elas, todas têm o potencial de serem muito mais transmissíveis do que a versão atual da covid com a qual parecemos estar lidando nos Estados Unidos", disse o indicado ao Cirurgião Geral dos EUA, Vivek Murthy, em uma entrevista ao Washington Post.

"O que é problemático agora e que realmente precisamos ficar de olho são essas variantes", disse Anthony Fauci, o principal especialista em doenças infecciosas dos EUA, em uma entrevista à MSNBC. "O mais preocupante, e que realmente pode ser problemático,  é a cepa dominante na África do Sul."

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos disseram em comunicado que estão informados sobre os casos e observaram que não há evidências de que a variante seja mais letal.

O CDC disse que a chegada de mais variantes do coronavírus enfatiza a necessidade de uma campanha de vacinação rápida para limitar a capacidade do vírus de continuar mutando.

A variante inglesa, chamada B.1.1.7, foi detectada em pelo menos 28 Estados, de acordo com dados do CDC. /AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.