EUA reivindicam diálogo com Pyongyang em processo de seis lados

O principal negociador dos Estados Unidos na crise nuclear norte-coreana, Christopher Hill, reiterou nesta segunda-feira que seu país está disposto a manter conversas bilaterais com a Coréia do Norte, sempre que seja dentro do marco do diálogo multilateral."Os EUA podem manter um diálogo bilateral com a Coréia do Norte se este país retornar para a reunião de seis lados" (entre as duas Coréias, os próprios Estados Unidos, China, Rússia e Japão), disse Hill, que chegou nesta segunda-feira a Seul procedente de Tóquio e Pequim, na busca de fórmulas para retomar as conversas nucleares com Pyongyang.Em suas primeiras declarações desta visita de dois dias, o funcionário americano indicou que os EUA estão dispostos a iniciar o comunicado conjunto adotado na última rodada das negociações realizadas em setembro, em Pequim.Nesse comunicado, a Coréia do Norte se comprometia a abandonar seu programa de fabricação de armas nucleares em troca de incentivos econômicos para sua subsistência energética.Este compromisso foi deixado de lado na quinta rodada de conversas de seis lados realizada em novembro passado, quando a Coréia do Norte decidiu boicotar o processo de diálogo enquanto os Estados Unidos não pusessem fim às sanções financeiras impostas um mês antes a várias instituições relacionadas com o regime comunista.A visita de Hill a Seul acontece também em meio a uma série de divergências entre EUA e Coréia do Sul sobre a melhor forma de resolver o problema norte-coreano e perante a eventualidade de Pyongyang realizar em breve um teste nuclear.Washington está disposto a impor novas sanções à Coréia do Norte, enquanto Seul considera que uma excessiva pressão sobre o regime de Pyongyang só pode levar a uma maior escalada de tensão no extremo oriente.Nesta visita à capital sul-coreana, Hill deve reunir-se com o ministro da Unificação, Lee Jong-seok; o vice-ministro de Assuntos Exteriores, Yu Myung-hwan, e o chefe da delegação sul-coreana no diálogo nuclear, Chun Yung-woo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.