EUA rejeitam exigências de líder palestino

Os Estados Unidos se recusaram a pressionar Israel ou fazer concessões a Yasser Arafat, mesmo se isto significar que Ahmed Korei não assuma como novo primeiro-ministro palestino. Na segunda-feira, Korei fez uma série de exigências à comunidade internacional para aceitar o cargo. Sem oferecer novos planos e mantendo um nível mínimo de diplomacia, a administração Bush está deixando para os palestinos uma disputa pelo poder, que acabará voltando para Arafat, o presidente da Autoridade Nacional Palestina que os EUA mantém numa lista negra. Apegando-se ao roteiro para a paz que pede o fim do terrorismo, Condoleezza Rice, conselheira de Segurança Nacional, disse que o primeiro-ministro palestino tem de ser capaz de controlar todas as forças de segurança palestinas e "ter o poder de fazer o que precisa ser feito". Mas Korei, presidente do Parlamento palestino, afirmou que precisa do apoio de Arafat a seu governo, exortando Israel a suspender o cerco ao QG de Arafat na Cisjordânia, parar com o assassinato de extremistas palestinos e cumprir suas obrigações no roteiro para a paz.Quando foi indicado por Arafat, Korei disse que não teria sucesso como primeiro-ministro caso Israel não restringisse suas ações militares. O primeiro-ministro indicado pediu aos EUA para pressionarem Israel. Rice, falando no Centro de Imprensa Estrangeira, disse que "os israelenses também têm responsabilidades e estamos em constante discussão com eles". Mas ela preferiu enfatizar que "os palestinos precisam desesperadamente assumir suas obrigações no roteiro para a paz e lidar com a infra-estrutura terrorista".

Agencia Estado,

09 de setembro de 2003 | 19h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.