EUA relatam piora dos direitos humanos na China

A situação dos direitos humanos na China está piorando, afirmou nesta quarta-feira Michael Posner, secretário assistente de Estado para direitos humanos. A declaração foi feita após dois dias de conversações em Washington com autoridades chinesas.

AE, Agência Estado

25 de julho de 2012 | 20h21

"A situação geral dos direitos humanos na China continua a se deteriorar", declarou Posner, dizendo ter levantado pelo menos 24 casos específicos com seus colegas chineses.

"Nós nos concentramos numa série de casos - advogados, blogueiros, membros organizações não-governamentais, ativistas, jornalistas, líderes religiosos e outras pessoas que estão reivindicando direitos universais e pedindo uma reforma pacífica na China", disse Posner aos jornalistas.

Segundo ele, muitas dessas pessoas foram detidas como parte de uma política de "prisões e detenções ilegais contra aqueles que desafiam ações oficiais e políticas na China".

Durante as conversações com o lado chinês, lideradas por Chen Xu, diretor-geral do Ministério de Relações Exteriores, os Estados Unidos também levantaram a questão da repressão chinesa contra os iugures, assim como a autoimolação dos tibetanos.

As autoridades norte-americanas também expressaram sua preocupação com a falta de acesso a aconselhamento legal para ativistas detidos e pediu que Pequim liberte advogados e ativistas pela democracia encarcerados, dentre eles o vencedor do prêmio Nobel da Paz, Liu Xiaobo.

"Acreditamos que em cada sociedade é função do governo dar a seu próprio povo a oportunidade de expressar suas preocupações e buscar suas aspirações", disse Posner. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
ChinaDireitos HumanosEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.