Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

EUA relembram atentados com solenidades e silêncio

Ao mesmo tempo em que o governo do presidente americano, George W. Bush, advertia para o risco de novos ataques contra interesses dos EUA, os habitantes de Nova York lembraram, com minutos de silêncio e a leitura dos nomes das vítimas, o segundo ano dos atentados de 11 de setembro de 2001. Milhares de amigos e parentes dos 2.792 mortos no World Trade Center - muitos portando cartazes com fotos das vítimas - compareceram ao local, agora conhecido como Ponto Zero, onde o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, conduziu as solenidades oficiais.A cerimônia teve início às 8h30 locais (9h30 de Brasília), com um toque solene de tambores. Em seguida, policiais marcharam pelo local onde se erguiam as torres gêmeas com uma bandeira dos EUA que, antes dos atentados, ficava hasteada no World Trade Center.Um coro de crianças interpretou o hino americano, enquanto alguns policiais entoavam gaitas de fole. Às 8h46, momento em que o primeiro avião seqüestrado se chocou contra a primeira das torres, observou-se o primeiro minuto de silêncio. O ato foi acompanhado em vários pontos do país, incluindo na Casa Branca, onde Bush e sua mulher, Laura, saíram aos jardins para participar da homenagem silenciosa às vítimas.Às 9h03, quando o segundo avião se chocou contra a outra torre, os participantes respeitaram outro minuto de silêncio - outros dois atos semelhantes se repetiram às 9h59 e 10h29, momentos em que as duas torres desmoronaram.Como já havia ocorrido em 2002, as autoridades - como Bloomberg e o governador do Estado de Nova York, George Pataki - evitaram intervenções de caráter político e se limitaram à leitura de fragmentos de poemas.Paralelamente à cerimônia no Ponto Zero, um serviço religioso realizou-se na igreja de Saint Peter, em Manhattan, onde o sino foi tocado nos momentos da colisão dos aviões contra as torres gêmeas e quando os edifícios desabaram.No Pentágono, onde 189 pessoas morreram no choque do terceiro avião seqüestrado, mais de 20 mil funcionários fizeram um minuto de silêncio às 9h37, hora do choque. O secretário de Defesa, Donald Rumsfeld, inaugurou uma nova lápide em homenagens aos mortos do Pentágono no Cemitério Nacional de Arlington.Em Shanksville, na Pensilvânia, igrejas tocaram seus sinos às 10h06, para marcar o momento exato da queda do quarto Boeing seqüestrado em 11 de setembro, que causou a morte de 44 pessoas. Especiais sobre 11 de setembro» Um ano de 11/9» Terror nos EUA» Reação ao Terror» A 1ª Guerra no Século» Um ano depois - The New York Times e O Estado de S. Paulo» Os casos de antraz

Agencia Estado,

11 de setembro de 2003 | 17h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.