EUA repudiam interferência de Tribunal da ONU

Os Estados Unidos pediram que a mais alta corte de Justiça das Nações Unidas não interfira em seu sistema penal, e exigiu que uma queixa apresentada pelo México contra a pena de morte seja rejeitado. A Corte Internacional de Justiça analisa um processo no qual é dito que 52 mexicanos condenados à morte nos EUA não tiveram um julgamento justo, porque as autoridades americanas não lhes disseram que poderiam pedir ajuda ao consulado do México.O governo mexicano quer que o tribunal da ONU ordene aos EUA que todos os processos sejam anulados e retomados desde o início. O representantes dos Estados Unidos, William Taft - bisneto do ex-presidente e ex-ministro da Corte Suprema William Howard Taft - disse que o pedido mexicano ?não tem precedentes?, e que o tribunal da ONU não é uma ?corte de apelações criminais?. Segundo Taft, a corte já ?foi bem longe? em decisões contra os EUA. ?Os Estados Unidos pedem que ela não vá além?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.