EUA restringem entrada de produtos lácteos chineses

O FDA (Food and Drug Administration), órgão americano que controla alimentos e remédios, restringiu a entrada de produtos da China que contenham leite. O órgão americano encontrou traços de contaminação por melamina, substância que causou quatro mortes de bebês e deixou milhares de crianças doentes na China, em alguns produtos, como doces e biscoitos, após realizar cerca de 60 testes.Segundo um funcionário da FDA, foram encontrados traços da substância em alguns e de outros componentes relacionados ao químico em outros. Segundo ele, não foram registrados casos de doenças relacionadas à melamina nos EUA. O funcionário afirmou que a China foi avisada com um dia de antecedência. Pequim ainda não comentou o caso.O FDA afirmou que a porcentagem das importações de alimentos atingida pela restrição é pequena. "Nós não esperamos um impacto significativo no comércio", afirmou o porta-voz. Os produtos testados em sua maioria são comercializados em lojas de produtos chineses, ainda que alguns possam ser vendidos em grandes redes.Os produtos chineses estão parados nos portos dos Estados Unidos e incluem comida para bebês, alimentos assados, comida para o café da manhã, doces, produtos com chocolate, queijo, sorvete, bebidas e alimentos para animais de estimação e de laboratório.A determinação do FDA sustenta que os importadores devem provar que os carregamentos de comida e bebida não contêm o produto químico usado na indústria antes de serem liberados para o mercado norte-americano.Mais de 13 países na Ásia e em outros continentes encontraram melamina em produtos chineses. Em pequenas quantidades - até 2,5 partes por milhão - a substância não traz riscos. Porém, em doses maiores pode causar problemas renais e até matar. A melamina era acrescentada por pessoas envolvidas no setor de laticínios na China para fraudar testes de proteína. Com isso, era possível acrescentar água à mistura, aumentando os lucros. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.