EUA: retirado tubo de alimentação que mantém mulher viva

O tubo de alimentação que mantinha viva Terri Schiavo, 39 anos, com sérios danos cerebrais, foi removido pondo fim a uma batalha legal de seis anos entre o marido e os pais dela, disse o pai dela, Bob Schindler. Advogados representado o marido dela, Michael Schiavo, afirmaram que deve levar de uma semana a 10 dias até ela morrer. A remoção do tubo ocorreu horas depois de o governador da Flórida, Jeb Bush, informar Bob Schindler e sua mulher, Mary, que havia instruído sua equipe legal para encontrar meios de bloquear a ordem de um tribunal permitindo que Michael Schiavo pusesse fim à vida da esposa. "Não sou médico, nem advogado. Mas sei que se uma pessoa pode sustentar a vida sem aparelhos, isso deveria ser tentado", afirmou o governador, acrescentando que "a decisão última" do caso está com os tribunais. Terri vive em estado vegetativo desde 1990, quando seu coração parou devido, segundo médicos, a um desequilíbrio químico. Seus pais acreditam que ela é capaz de aprender a comer e beber por conta própria. Uma corte de apelação estatal em Lakeland rejeitou petições de um advogado dos Schindlers e seus recursos legais se exauriram, disseram os advogados. Michael Schiavo afirma que sua mulher não iria querer ser mantida viva artificialmente, mas seus sogros respondem que ela quer viver. Ela não deixou testamento nem outras instruções escritas. "Aos nossos olhos, é assassinato", denunciou Bob Schindler no programa Early Show, da CBS. O tubo de alimentação de Terry já havia sido removido em abril de 2001, depois que a Suprema Corte dos EUA recusou-se a reverter a decisão de um tribunal inferior ordenando sua retirada. Mas um juiz julgando uma demanda dos Schindler ordenou que o tubo fosse novamente colocado dois dias depois. Os Schindler também argumentam que Michael Schiavo não deveria ter a guarda da esposa já que há muito ele vive com outra mulher. Michael recusa-se a divorciar-se de sua esposa, dizendo temer que seus pais iriam ignorar seu desejo de morrer caso eles passem a ter sua guarda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.