EUA retomam ataques ao Afeganistão

Os Estados Unidos retomaram na madrugada de sábado (horário local) os bombardeios ao Afeganistão, que haviam sido suspensos temporariamente hoje por ser dia dedicado à oração pelos muçulmanos. Diversos aviões sobrevoaram Cabul no início da manhã de sábado e explosões foram ouvidas na região norte, fazendo com que edifícios tremessem. As explosões marcam o sétimo dia de ataques contra o Taleban, milícia que governa o Afeganistão e que está protegendo Osama bin Laden, considerado o principal responsável pelos ataques terroristas aos EUA em 11 de setembro. A notícia da suspensão dos ataques aéreos na sexta-feira partiu do chefe do Estado-Maior das Forças Armadas americanas, general Richard B. Myers. Mas o secretário da Defesa, Donald H. Rumsfeld, deixou claro que a operação prosseguiria se houvesse necessidade. Ele disse que a aviação norte-americana iria realizar incursões de reconhecimento sobre o território afegão, em busca de novos alvos militares. Fortes explosões estremeceram toda a capital afegã, segundo testemunhas. Em sua entrevista, Rumsfeld reiterou que os bombardeios preparam terreno para o avanço das forças da Aliança do Norte (opositora ao Taleban), que já se apoderaram de Chagcharam, a capital da província central de Ghow. "Os objetivos militares alcançados esta semana estão, em alguns casos, muito próximos, das forças terrestres (da Aliança do Norte), que se opõem ao Taleban e à rede terrorista Al-Qaeda", ressaltou o chefe do Pentágono. "Essas forças não são norte-americanas, mas afegãs, que se opõem ao Taleban e a Osama bin Laden", insistiu ele. A utilização de tropas aliadas ficaria restrita, numa primeira fase, segundo fontes do Pentágono, à operação de captura de Bin Laden, acusado de ser o mentor dos atentados de 11 de setembro nos EUA, e de sua rede terrorista Al-Qaeda. Falando sobre as operações aéreas e, eventualmente, terrestres dos aliados, o almirante Michael Boice, comandante das forças de defesa britânicas, previu hoje um "prolongado engajamento" da Grã-Bretanha e dos Estados Unidos no Afeganistão. "Vamos entrar pelo inverno e pelo próximo verão (meados de 2002), no mínimo." Tentando conter o avanço das forças da Aliança do Norte, o Taleban desencadeou hoje, segundo a agência oficial afegã AIP, uma contra-ofensiva, tendo reconquistado o distrito de Qadis, na província de Badghis (oeste), que haviam perdido há alguns dias. A AIP disse que o comandante rebelde Mohammed Zahir morreu nos combates. A Aliança do Norte não confirmou. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.