EUA retornam ao macarthismo, denuncia escritora

A escritora americana Tony Morrison, que participa de um encontro de literatura em Roma, disse, nesta segunda-feira, que os EUA voltaram ao clima "macarthista" e de "caça às bruxas" da década de 50 em relação aos que têm idéias mais liberais na política. "Quem faz críticas contra a guerra neste momento é acusado de ser traidor ou, no melhor dos casos, de antipatriotismo", declarou a escritora contemplada com o prêmio Nobel de Literatura em 1993.A escritora explicou que, nos EUA, existe, no momento, "uma grande confusão política, e é difícil entender e obter notícias corretas que não tenham sido manipuladas pelos grandes grupos de informação". Morrison afirmou que a administração Bush fornece informações contraditórias, tranqüilizando ou criando ansiedade na opinião pública, a fim de conseguir apoio para suas idéias."Em conseqüência disto, normas legislativas estão sendo aprovadas apressadamente, sem que haja discussão nem debate democrático", disse Morris. Esta atitude leva o governo "a filtrar notícias para preparar o terreno e justificar o anunciado ataque contra o Iraque", opinou a escritora americana sem disfarçar sua preocupação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.