EUA: Ryan deve fazer discurso mais conservador

Os republicanos reunidos na Convenção Nacional, que lançou oficialmente a candidatura de Mitt Romney à presidência dos Estados Unidos, aguardam nesta quarta-feira o discurso do candidato a vice na chapa de Romney, o congressista Paul Ryan, de 43 anos, que deverá falar após a meia-noite (pela hora de Brasília, às 22h na Flórida). Ryan é coautor de um plano de orçamento dos republicanos que prevê fortes cortes nos gastos sociais do governo dos EUA. Em entrevista veiculada nesta quarta-feira por emissoras de televisão dos EUA, Ryan disse que os eleitores gostarão do que irão ver se os republicanos vencerem em 6 de novembro, porque "nós oferecemos soluções fortes para levar as pessoas de volta ao trabalho e para trazer esse país de volta ao caminho certo".

AE, Agência Estado

29 de agosto de 2012 | 19h21

Ryan é mais conservador que Romney e sua nomeação a vice na chapa foi vista como uma concessão a setores mais conservadores do partido, como o Tea Party. Além de ser contra o aborto e a favor de cortes nos gastos sociais, Ryan defende uma redução radical na estrutura do governo federal dos EUA, a qual considera lenta e cara.

Já Romney, que deverá discursar amanhã, último dia da convenção, voltou a atacar hoje seu rival, o presidente Barack Obama. "O maior fracasso desse presidente foi sua falha em entregar os empregos que prometeu", disse Romney, falando a um grupo de militares veteranos. Romney disse que Obama fracassou em reviver a economia dos EUA e criar empregos.

Outros republicanos de peso deverão discursar nesta quarta-feira. A ex-secretária de Estado Condoleezza Rice, que foi conselheira de segurança nacional entre 2011 e 2005, quando o governo de George W. Bush invadiu o Iraque, e mais tarde secretária de Estado do segundo mandato do governo de W. Bush, entre 2005 e 2009, também deverá discursar em apoio a Romney e Ryan após às 22h.

Mais cedo, às 20h (hora da Flórida), deverá discursar o senador republicano John McCain, do Arizona, candidato a presidente derrotado por Barack Obama em 2008. McCain anunciou apoio a Romney quando as primárias republicanas ainda não haviam indicado um vencedor claro no primeiro semestre, embora o ex-governador de Massachusetts já liderasse a disputa. Também serão exibidas mensagens televisionadas e gravadas de apoio a Romney, para a multidão, dos ex-presidentes republicanos George Herbert W. Bush (o "Bush pai", que governou entre 1989 e 1993) e George W. Bush (o "Bush filho", que governou entre 2001 e 2009).

As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.