EUA sabem que estão errados sobre programa nuclear do Irã, diz aiatolá

Líder supremo iraniano disse que seu país não pretende desenvolver armas nucleares.

BBC Brasil, BBC

20 de setembro de 2009 | 15h54

O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, disse neste domingo que os Estados Unidos sabem que estão errados ao acusar seu país de tentar desenvolver armas nucleares.

Em discurso na Universidade de Teerã para marcar o final do mês sagrado do Ramadã, o aiatolá disse que apesar das palavras amistosas, o presidente americano, Barack Obama, está buscando o mesmo tipo de política dos seus antecessores.

"Nós fundamentalmente rejeitamos armas nucleares e proibimos a produção e uso de armas nucleares", disse Khamenei. Ele rejeitou as alegações feitas por autoridades americanas sobre um suposto projeto iraniano de desenvolver armas nucleares.

"Eles sabem que isso não é verdade. É parte da política de fobia que controla o comportamento destes governos arrogantes hoje."

Reunião

Seus comentários foram feitos depois que Obama anunciou que está abandonando os planos de um sistema antimísseis na Europa. Um dos objetivos do projeto era conter um possível ataque de mísseis iranianos, mas uma revisão do plano mostrou que a ameaça não é considerada tão grave.

Em seu discurso neste domingo, Khamenei exigiu que os governos ocidentais revisem suas políticas em relação ao Irã.

"Eles precisam corrigir isso. A nação iraniana está em alerta", disse.

No começo deste mês, representantes de Estados Unidos, Rússia, China, Grã-Bretanha, França e Alemanha aceitaram uma proposta do governo do Irã para discutir o tema.

A proposta iraniana é de conversas "abrangentes e construtivas" sobre vários temas de segurança, incluindo desarmamento global.

O responsável pela política externa da União Européia, Javier Solana, deve encontrar-se com diplomatas iranianos no dia 1º de outubro.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.