EUA são 'ameaça real à paz global', diz enviado do Irã na AIEA

EUA são 'ameaça real à paz global', diz enviado do Irã na AIEA

Soltanieh critica cúpula de Washington e diz que resultado do encontro já é conhecido

Agência Estado

12 de abril de 2010 | 13h02

TEERÃ - O enviado do Irã na Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Ali Asghar Soltanieh, criticou a conferência nuclear organizada pelos EUA nesta segunda-feira, 12, e disse que as decisões tomadas nesse encontro não têm força de lei para as nações ausentes. Soltanieh acusou Washington de ser uma "ameaça real à paz global" em razão do arsenal nuclear americano.

 

Veja também:

especialOs últimos eventos da crise nuclear

linkSaiba mais sobre o TNP

linkO que está em jogo no encontro

"O resultado da conferência em Washington já é conhecido. Qualquer decisão tomada nesse encontro não é vinculante para os países que não estão representados na conferência", disse à agência Isna.

O presidente dos EUA, Barack Obama, deve abrir hoje a conferência nuclear de dois dias com representantes de 47 países. O Irã, que vive um momento tenso com os EUA por seu programa atômico, não está representado no evento. O Departamento de Estado norte-americano já informou que os esforços para pressionar o Irã serão um tema "significativo".

Teerã sofre pressão internacional para abandonar seu programa nuclear. O país diz ter apenas fins pacíficos, mas potências ocidentais temem que ele busque uma bomba atômica. O país persa já sofreu três rodadas de sanções no Conselho de Segurança da ONU.

O Irã anunciou uma conferência de dois dias, em 17 e 18 de abril, sobre desarmamento nuclear. O país ainda não anunciou a lista de participantes, mas haverá delegações da AIEA e da ONU no encontro. A Rússia também já informou que deve estar presente. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.