AP Photo/John Minchillo
AP Photo/John Minchillo

EUA se apressam para tentar cumprir prazo de reunificação de famílias imigrantes

Governo Trump tem até esta quinta-feira para cumprir ordem de juiz federal de San Diego, mas já reconhece que centenas de famílias podem não ser unificadas imediatamente; advogados denunciam ações caóticas e casos de desrespeito a direitos

O Estado de S.Paulo

26 Julho 2018 | 11h13

WASHINGTON - Apesar de se apressar para cumprir nesta quinta-feira o prazo para juntar centenas de crianças imigrantes aos seus pais, o governo dos Estados Unidos reconheceu que centenas de famílias separadas por autoridades de fronteira não serão reunidas imediatamente.

Advogados do governo disseram a um juiz federal de San Diego nesta semana que cerca de 2.500 pessoas que foram separadas dos filhos podem não estar aptas para uma reunificação imediata por já terem sido deportadas, terem dispensado uma reunificação, terem ficha criminal ou não estarem qualificadas por outros motivos - pelo menos 20 crianças brasileiras separadas dos pais na fronteira dos EUA ainda estão em abrigos.

Já os advogados que trabalham com imigrantes dizem que as ações do governo têm sido caóticas, e na quarta-feira a União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU) apresentou declarações aos tribunais detalhando as histórias de pais supostamente pressionados a abdicar da reunificação ou assinar documentos de deportação que não entenderam.

O grupo de direitos humanos pediu ao juiz Dana Sabraw, de San Diego, que suspenda as deportações de famílias por sete dias depois de elas serem reunidas, dizendo que os advogados precisam de tempo para fazer com que os pais entendam seus direitos e analisem suas opções.

O pedido faz parte de uma ação civil apresentada pela ACLU para questionar a separação de pais e filhos por meio da política de “tolerância zero” do governo do presidente dos EUA, Donald Trump, para deter a imigração ilegal.

Trump ordenou que as separações fossem suspensas em junho, após uma revolta generalizada, e Sabraw ordenou que o governo reunifique as famílias que separou até esta quinta.

Organizações que trabalham com as crianças se queixaram da falta de coordenação nas ações de reunificação, mas mantêm a esperança de que o governo cumprirá o prazo imposto pelo juiz.

“Vemos algumas crianças serem levadas no meio da noite para serem reunificadas”, disse Anthony Enriquez, das Entidades de Caridade Católicas de Nova York, que representam algumas das crianças afetadas.

Lee Gelernt, advogado da ACLU, disse a Sabraw em uma audiência na terça-feira que o processo de reunificação está “uma bagunça”, algo que advogados do governo contestaram.

Até segunda, autoridades disseram ter reunificado 879 pais aos filhos e identificado 1.634 pais que podem ter direito à reunificação. Números atualizados não foram fornecidos. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.