EUA se ´opõem vigorosamente´ a acordos de petróleo com Irã

A administração do presidente George W. Bush está em negociação com executivos-chefes de companhias de petróleo e chefes de estado de países que estão considerando assinar acordos de projetos com o Irã, com o objetivo de dissuadi-los de seguirem em frente com os planos, disse o subsecretário de Estado para Assuntos Políticos, Nicholas Burns, diante do Comitê de Relações Exteriores da Câmara. Burns disse que nas últimas semanas a administração Bush tem se ocupado em discussões relevantes com companhias e países sobre seu investimento potencial no setor de petróleo e gás do Irã. O subsecretário disse que contou aos CEOs e primeiros-ministros de que os EUA se "opõem vigorosamente" aos acordos e que qualquer contrato iria "enfraquecer os esforços internacionais para resolver a questão nuclear". "Nossa discussão tem como intenção diminuir a probabilidade de vermos (aqueles acordos) finalizados", disse Burns em seu depoimento ao Comitê da Câmara. Várias companhias de petróleo, incluindo a Royal Dutch Shell, Repsol YPF S.A., Statoil ASA, Norsk Hydro ASA, Australia LNG e a chinesa National Offshore Oil Corp estão se preparando para assinar vários grandes contratos de petróleo e gás com o Irã. Na abertura da audiência, o presidente do Comitê, o democrata Tom Lantos, disse que está propondo uma legislação que tornaria mais severa a Lei de Sanções do Irã e que exigiria que a administração Bush penalize qualquer companhia que assine contratos de mais de US$ 20 milhões com o Irã. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.