Mike Blake / Reuters
Mike Blake / Reuters

EUA se preparam para abrigar até 20 mil crianças imigrantes em bases militares

Departamento de Saúde e Serviços analisa quais locais podem ser utilizados; não está decidido se pais que estão detidos ficariam nas mesmas bases

O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2018 | 10h37

WASHINGTON - As Forças Armadas americanas foram orientadas a se preparar para abrigar até 20 mil crianças imigrantes, disseram autoridades na quinta-feira 21, à medida que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tenta reverter a política amplamente criticada de separar famílias imigrantes.

+ Detido, Brasileiro está separado do filho há 26 dias nos EUA

Ainda não foi decidido se o alojamento militar também abrigaria os pais das crianças que foram detidos. Nem a Casa Branca, o Departamento de Defesa ou Departamento de Segurança e Serviços Humanitários (HHS) forneceram detalhes.

+ EUA têm 500 brasileiros presos por imigração ilegal e alvos de deportação

Mesmo sem saber como será o processo, o HHS já preparou três bases militares no Texas e vai analisar outra no Arkansas, disse a porta-voz do Pentágono, Dana White. Segundo ela, o órgão pediu que o Pentágono “determine suas capacidades de fornecer até 20 mil camas temporárias para crianças estrangeiras desacompanhadas” em instalações militares.

Dana não deu mais detalhes e não ficou claro quantas das crianças que podem ser enviadas às bases estão atualmente detidas em outras unidades.

+ Com Obama, 100 crianças do Brasil estiveram detidas

Democratas questionaram o plano. "Isso é ao menos possível?", questionou o senador Chuck Schumer, de Nova York, durante sessão no Congresso. Representantes dos imigrantes demonstraram preocupação com a possibilidade de abrigar as crianças em bases militares.

+ Temer se recusa a falar sobre crianças brasileiras presas nos EUA

Trump e seu governo têm sido fortemente criticados nas últimas semanas por separarem mais de 2.300 crianças de suas famílias para processar seus pais por cruzar a fronteira ilegalmente, como parte da nova política de "tolerância zero" da administração com imigração. / REUTERS e NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.