Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

EUA se preparam para destruir plataformas de mísseis Scud

As Forças Armadas dos Estado Unidos começaram nos últimos dias os preparativos para a destruição de plataformas lançadoras de mísses Scud no oeste iraquiano, que permitiram ao Iraque disparar contra Israel, informaram os diários israelenses Maariv e Yediot Ahronot. Tão logo se inicie o ataque americano, os militares do país deslanchariam uma ofensiva com tropas, em larga escala, no oeste, para impedir os bombardeios. Atualmente, os EUA estão explorando a região com a ajuda de satélites e sistemas de reconhecimento aéreo. Durante a Guerra do Golfo, em 1991, o Iraque lançou 41 Scuds contra Israel, dos quais 39 atingiram o território. Naquela época, os ataques da Força Aérea dos EUA contra as baterias de mísseis não foram bem-sucedidos. Hoje, a Alemanha reiterou sua firme oposição a uma ação militar contra o Iraque e confirmou que, se isso ocorrer, retirará seus 50 tanques do tipo Fuchs estacionados no Kuwait. A chancelaria alemã assinalou que o mandato do Parlamento alemão só autoriza o uso desses veículos na luta contra o terrorismo internacional, até 15 de novembro.Em Genebra, o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (Acnur) iniciou os preparativos para conter uma possível catástrofe humanitária decorrente de uma guerra entre os EUA e aliados e o Iraque. O alto comissário, o holandês Ruud Lubbers, estimou que o conflito provocaria levas de até 1 milhão de refugiados. A Turquia também começou a organizar acampamentos na fronteira iraquiana para receber milhares de pessoas, como ocorreu durante a Guerra do Godlo, em 1991, quando cerca de 500 mil curdos iraquianos cruzaram a fronteira. O país está reservando barracas, alimentos e cobertas para uma população entre 80 mil e 200 mil pessoas, informou o presidente do Crescente Vermelho - nos países muçulmanos, organização equivalente à Cruz Vermelha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.