Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Marco Bello/REUTERS
Marco Bello/REUTERS

EUA se preparam para explosão da 'indústria do date' no verão dos vacinados

Expectativa de temporada de festas, primeiros encontros e bares lotados impulsiona venda de anticoncepcionais, bebidas alcoólicas e serviços de beleza

Emily Davies, The Washington Post, O Estado de S.Paulo

12 de junho de 2021 | 14h00

Emily Norton passou a maior parte de seus primeiros dois anos de faculdade em quarentena com sua família e escondendo sua bissexualidade, exatamente o oposto do período de autoexploração e liberdade que ela esperava.

Mas assim que foi vacinada e conseguiu um apartamento com amigos em Roanoke, Norton, de 19 anos, finalmente se sentiu pronta para um encontro.

Para se preparar, ela fez as unhas (acrílicas, com esmalte amarelo brilhante), encheu o carrinho de compras na American Eagle, comprou tinta para tingir o cabelo de loiro acinzentado e marcou o primeiro corte de cabelo em mais de um ano. 

Quando Norton finalmente foi para seu primeiro encontro, com uma mulher, em 3 de junho, ela estava US$ 350 mais pobre. Mas o salão de manicure, a loja de roupas e o cabeleireiro estavam felizes.

Especialistas e grupos de amigos estão empolgados com o “Hot Vax Summer”, o verão dos vacinados, quando espera-se que os Estados Unidos sejam tomados por festas, primeiros encontros, bares lotados e outras atividades que haviam sido suspensas em decorrência da pandemia. Essa expectativa impulsionou as vendas de anticoncepcionais e de bebidas alcoólicas e inundou salões de beleza. O resultado é um renascimento econômico para algumas das empresas mais prejudicadas pela pandemia do coronavírus, que, após um ano de isolamento, agora estão florescendo graças ao desejo reprimido de namorar e se misturar.

Tanto marcas nacionais quanto locais estão se preparando para monetizar um verão promíscuo e sem podas. A Anheuser-Busch, que produz a Budweiser, anunciou que distribuirá álcool de graça se os Estados Unidos atingirem a meta do presidente Biden de vacinar parcialmente 70% dos adultos até 4 de julho. O aplicativo de namoro Hinge, que triplicou sua receita em 2020 e deve dobrar em 2021, adicionou um recurso para os usuários mostrarem seu status de vacinação. E o site de roupas Revolve lançou uma categoria “Vaccine Ready” em seu site, cheia de tops e vestidos curtos.

As pequenas empresas de Washington estão especialmente desesperadas para que o Hot Vax Summer estimule gastos após a abordagem cautelosa e prolongada da prefeita Muriel Bowser, uma democrata, em relação à reabertura. Citando preocupações de saúde pública, Bowser só eliminou as limitações de capacidade em 21 de maio, mais de dois meses após o Estado vizinho, Maryland, ter dado passos mais dramáticos em direção à normalidade. Mas ela planeja reabrir totalmente a cidade nesta sexta-feira e, com isso, permitir um verão projetado para compensar o tempo perdido de um ano.

Stephanie Jacek, dona de uma loja de sutiãs em Columbia Heights chamada Le Bustiere Boutique, viu suas vendas voltarem aos níveis pré-pandêmicos pela primeira vez em abril. Ela contratou de volta seu primeiro funcionário em tempo integral desde o início de 2020, abriu um cargo de meio período e está procurando mais um funcionário em tempo parcial para ajudá-la a gerenciar o fluxo repentino de clientes.

"É como um renascimento aqui", disse Jacek. “Todo mundo quer algo para se sentir bem e conquistar o mundo novamente.”

Alguns clientes vieram à butique depois de trocarem moletons por camisetas e descobrirem que haviam ganhado peso durante a pandemia. Outros, disse Jacek, chegaram em busca de itens íntimos rendados para que se sentissem bem ao conhecer novas pessoas.

Uma professora entrou correndo na loja durante a hora do almoço para comprar roupas íntimas que combinassem com sua roupa de trabalho. E uma mulher transexual, Jacek disse, comprou um sutiã para um vestido que ela queria usar em seu primeiro encontro pessoal com alguém que ela estava vendo há um ano por meio do Zoom.

A energia na capital do país em uma noite de sábado recente pode ajudar a explicar por que os negócios estão crescendo na Le Bustiere Boutique. Na 14th Street, a música berrava dos telhados, estranhos se encontravam em banheiros e as máscaras eram raras. Em Navy Yard, havia uma festa de horas de duração no bar Mission. Pessoas sem máscara viraram doses e dançaram noite adentro.

“Isso me lembra a World Series em D.C.”, disse Fritz Brogan, co-proprietário da Mission. “As pessoas estão muito felizes, estão gritando, estão animadas, sua voz dói, querem compensar o tempo perdido.”

Brogan disse que tem havido uma “demanda incrível” para festividades noturnas depois que Bowser suspendeu a proibição de dança e música ao vivo que durava um ano. Para todos os sábados deste mês, seu bar tem cerca de 12 festas planejadas.

A mesma emoção que iluminou a pista de dança em Mission está impulsionando outros setores da economia. As marcas de venda livre da pílula do dia seguinte aumentaram mais de 34% em comparação com o mesmo período do ano passado, e os produtos de realce sexual subiram mais de 65%, de acordo com a IRI, uma empresa de pesquisa de mercado. E a IWSR Drinks Market Analysis, que monitora o mercado de bebidas alcoólicas, prevê que o volume total de vendas de álcool nos Estados Unidos aumentará 3,8% este ano, impulsionado em grande parte por "produtos prontos para beber", como seltzers pré-fabricados e coquetéis.

As empresas locais em todo o país estão abraçando aqueles que estão ansiosos para festejar. Em Chicago, o fundador de uma empresa de cannabis anunciou que “começou a loucura dos anos 20”. Em Minnesota, uma cervejaria está hospedando um evento intitulado “A Hot Vax Summer” que combina vacinação com speed dating.

E em D.C., Russwin Francisco, dono de uma loja de novidades para adultos chamada Bite the Fruit, em Dupont Circle, disse que está planejando estocar “brinquedos de casal” em preparação para um verão quente.

Durante a pandemia, sua loja online se beneficiou do crescente interesse em brinquedos sexuais individuais. Ele espera que o fim da pandemia em D.C. atraia o tráfego de pedestres de volta para sua loja e gere entusiasmo para produtos destinados a casais.

“É um verão quente vacinado, então prevemos que as pessoas começarão a relaxar um pouco mais, se darão mais permissão para explorar relacionamentos ou serão mais fluidos”, disse ele. “Talvez eles visitem uma ou duas sex shop e comprem alguns brinquedos para apimentar sua vida no quarto.”

Kate O'Connor, uma casamenteira na It’s Just Lunch DC, está tendo seu ano mais ocupado em seus seis anos na empresa. Sua clientela, que normalmente paga milhares de dólares por coaching, se tornou mais ansiosa para encontrar um parceiro de vida sério após um ano de isolamento. Seu negócio também está se beneficiando com a proibição de viagens, o que dá às pessoas que normalmente gastam dinheiro em voos dinheiro extra para investir em suas vidas pessoais.

Depois de sofrer um corte salarial significativo no ano passado, O'Connor disse que teve mais alívio financeiro agora que "muitas pessoas estão prontas para seguir em frente e ir para a jugular com o namoro".

A recuperação alimentada por um desejo de intimidade, no entanto, é tão desigual quanto frutífera. Embora algumas pessoas tenham mais economias do que nunca e estejam prontas para gastar, 5,8% da população do país ainda sobrevive com o seguro-desemprego. E as empresas em algumas áreas ainda são prejudicadas por espaços de escritórios vazios e um lento retorno de funcionários das nove às cinco.

De acordo com dados fornecidos pelo Downtown Business Improvement District, da Kastle Systems, que opera a segurança em mais de 290 prédios de escritórios em Washington, cerca de 19% dos trabalhadores com crachá voltaram aos seus escritórios no centro. Essa é a maior porcentagem desde abril de 2020, mas incrivelmente menor do que os 98,1% dos trabalhadores que batiam seus crachás em fevereiro de 2020.

“Vemos muitos sinais encorajadores, ouvimos falar de pessoas acelerando ligeiramente seus planos de retorno de outono para o verão, mas isso não apareceu nos dados”, disse Gerry Widdicombe, diretor de desenvolvimento econômico da Business Improvement D.C.

Os negócios no Jadore Beauty Spa, localizado próximo à estação de metrô Farragut North, no centro, ainda estão cerca de 75% mais baixos do que antes da pandemia. Enquanto as pessoas se aglomeram para fazer tratamentos faciais e manicure perto de casa, Tony Tran, dono do spa, ainda luta para pagar suas contas e manter seus funcionários na folha de pagamento.

“Costumava haver toneladas de trabalhadores em minha loja”, disse ele. "Agora? Oh meu Deus, não é ninguém. ”

Mas para Emily Norton, um verão de diversão já começou.

Antes de seu primeiro encontro, Norton tirou fotos de roupas diferentes para ver qual a fazia parecer casual, mas divertida.

Ela escolheu shorts de motoqueiro pretos novos, um top preto e uma flanela azul e verde, adicionando um colar contra mau-olhado, um anel de cobra e brincos franzidos antes de se encontrar com a mulher misteriosa em um restaurante em Roanoke.

As duas começaram com conversa fiada, estilo pandêmico. Elas conversaram sobre faltar ao baile, formatura e festas, e as dificuldades de fazer aulas online.

Não haverá um segundo encontro, disse Norton. Mas o verão quente da vacina? Este está apenas começando.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.